Interfaces do genocídio no Brasil: raça, gênero e classe.

No dia 06 de setembro de 2019, acontece no Instituto de Saúde, no auditório Walter Leser, o seminário para lançamento do livro Temas em Saúde Coletiva – As Interfaces do Genocídio no Brasil: raça, gênero e classe. O evento, direcionado aos profissionais da saúde, especialmente aos que trabalham nas UBS (unidades básicas de saúde), será realizado no período da tarde, das 13h30 às 18h00. Além do seminário, que terá duas mesas para discussão com a presença de convidados especiais começando a partir das 14h00, haverá no hall de entrada a exposição de grafites de Daniel C. Oliveira (DPRAZ).

No final das duas mesas, acontece o lançamento do livro As Interfaces do Genocídio no Brasil: raça, gênero e classe e às 18h00, uma roda de jongo do grupo Preta Bandêra para finalizar o evento.

O objetivo do seminário é discutir e possibilitar a reflexão dos profissionais diante o genocídio, suas interfases, o reconhecimento de práticas, sua identificação e o estímulo a adoção de atitudes tendo como referência as suas interfaces. (Vagas limitadas)

Link para inscrição: https://bit.ly/2OZNiEf

Interfaces do genocídio no Brasil: raça, gênero e classe.

Organização: Marisa Feffermann, Suzana Kalckmann, Deivison Faustino (Nkosi), Dennis de Oliveira, Maria Glória Calado, Luis Eduardo Batista e Raiani Cheregatto.

SUMÁRIO

PARTE I: JUVENICÍDIO NAS AMÉRICAS . Juvenicido e identidades desacreditadas (José Manuel Valenzuela) . Juvenicidio na Colômbia (German Muñoz) . As infanto-juventudes: "maras” e "gangues" transnacionais no Triângulo Norte-Americano-Central (TNC) - El Salvador, Honduras e Guatemala.(Alfredo Nateras) . Juvenicidio nos EUA (Kleaver Cruz) . Genocídio da juventude Negra: desconstruindo Mitos (Marisa Feffermann)

PARTE II: A COR DO HOMICÍDIO . Reflexões indigestas sobre a cor da morte: As dimensões de classe, raça e gênero. (Deivison Nkosi ) . Genocídio dos Povos Indígenas no Brasil: Um Instrumento de mais de 500 Anos (Antônio Fernandes de Jesus Vieira – Dinamam Tuxá) . Racismo e violência face à eugenia contemporânea (Weber Lopes)

PARTE III: MEIOS DE COMUNICAÇÃO COMO FOMENTADORES DO MEDO E DO PRECONCEITO . Narrativas midiáticas e construção da sensação de insegurança plena (Dennis Oliveira) . Mulheres negras, vozes insurgentes na coragem de ser, viver e lutar contra o genocídio da população negra (Isabel Cristina Clavelin Rosa) . Etnomidialogia: ciências da comunicação e suas interseções com as diversidades étnico-sociais (Ricardo Alexino)

PARTE IV: ENCARCERAMENTO EM MASSA . Necropolítica prisional: o paradoxo do encarceramento em massa na era da Constituição Cidadão (Paulo Cesar Malvezzi) . Racismo, vidas precárias e o sistema de justiça criminal como máquina necropolítica (Juliana Borges) . Mesa: Encarceramento em massa: símbolo do Estado Penal (Alfredo Nateras) . Rés negras, juízes brancos: uma análise da interseccionalidade de gênero, raça e classe na produção da punição em uma prisão paulistana (Dina Alves)

PARTE V: CRIMINALIZAÇÃO DAS DROGAS E RAÇA . Criminalização das Juventudes (José Manuel Valenzuela) . A proibição de entorpecentes na República: notas sobre eugenia, urbanização e o racismo científico brasileiro (Eduardo Ribeiro)

PARTE III: MEIOS DE COMUNICAÇÃO COMO FOMENTADORES DO MEDO E DO PRECONCEITO . Raça e Racismo no Brasil – Uma Perspectiva Estrutural (Fellipe Rodrigues Sousa e Silvio Almeida) . Mulheres negras enfrentamento à violencia e ao racismo institucional (Vilma Reis) . Racismo Estrutural: a produção industrial da destruição de corpos negros e não normatizáveis (Juarez Xavier)

PARTE VII: GÊNERO E RAÇA . Masculinidades negras e suas (des) humanidades (Alessandro De Oliveira Campos) . Feminicídio reprodutivo: ciclos de vida, raça, corpo e violência institucional (Jackeline Romio) . Juventudes negras amefricanas: genocídio como regra, saúde como resistência (Clélia Prestes) . Gênero e raça no Brasil (1978-2018): Movimentos Sociais, Sociedade Civil e Estado (Flavia Rios)

LANÇAMENTO: 06/09 (sex), às 14h, no Instituto de Saúde, Auditório Walter Leser (R. Santo Antônio, 590, Bela Vista, São Paulo) Vagas limitadas


ACESSE AQUI: https://www.facebook.com/events/956763591329331/

0 visualização

Contato

WhatsApp: (34) 92000-8172

Email: contatoabpn@gmail.com

logo padrão (PRETA) (1).png

Endereço

Casa de Cultura Graça de Axé, localizado na Avenida Cesário Crescerá, 4187 - Bairro Pres. Rossevelt, 38401-119 - Uberlândia - Minas Gerais - Brasil

  • Facebook
  • Instagram - Cinza Círculo
  • LinkedIn - círculo cinza

© 2023 por Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as. Criado com Wix.com

Site produzido por 

Matheus Borsato