• ABPN

Conheça o livro do Prof. Dr. Ivanir dos Santos



O livro é o resultado da tese de doutorado que levanta e analisa as interfaces políticas e sociais das religiões de matrizes africanas no Rio contra os processos de intolerância religiosa e o racismo no Brasil, entre 1950 e 2008. Com esta pesquisa, Ivanir se credenciou como doutor em História Comparada pela UFRJ, em maio de 2018. E para a publicação pela Pallas, o autor escreveu um posfácio exclusivo que apresenta o panorama até os dias atuais. O título conta também com prefácio de Muniz Sodré, professor da UFRJ, e orelha de Lazare Ki-Zerbo, vice presidente do Comitê Internacional Joseph Ki-Zerbo para a África e a Diáspora (CIJKAD).


Sobre o Autor


Há 40 anos atuando em prol das liberdades, dos direitos humanos, das pluralidades contra o racismo e a intolerância religiosa, Ivanir dos Santos recebeu o prêmio Internacional Religious Freedom (IRF), em julho último. Foi entregue pelo Departamento de Estado do Governo dos Estados Unidos, durante evento em Washington, pela importância na luta contra a intolerância a praticantes de religiões de matriz africana no Brasil. Ele foi o único líder religioso do Ocidente a ser premiado.


Ao olhar para a trajetória de vida e militância, dentro e fora da esfera social, cultural, religiosa, política e acadêmica, o seu nome desponta como uma referência. É interlocutor da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR) há doze anos – e, em parceria com o Centro de Articulação de Populações Marginalizadas (CEAP), a CCIR vem chamando a atenção da sociedade e das autoridades públicas para o perigo da construção de um estado teocrático em um país constitucionalmente laico como o Brasil.


Suas lutas muitas vezes se entrelaçam à história de vida de tantas crianças pretas nascidas na Favela do Esqueleto, removida da área onde existe a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) para Bangu, no início dos anos 60. No Esqueleto, Ivanir foi criado pela mãe, a doméstica Sonia, até os seus 7 anos, quando ela foi brutalmente assassinada. Filho de mãe solteira, foi entregue ao Serviço de Assistência ao Menor (Sam), ligado ao Ministério da Justiça que, após o golpe militar de 1964, mudou de nome para Fundação Nacional do Bem-Estar do Menor (Funabem).


Ivanir ficou recluso por 12 anos e carregou, por muitos anos, o estigma de ex-interno de um sistema que considerava crianças e jovens negros pobres das comunidades como potencialmente um perigo social. Venceu todas as barreiras, estudou muito e fundou, com um amigo de internato, a Associação dos Ex-Alunos da Funabem, em 1979. A ideia surgiu após observarem que os alunos que saíam dos internato eram discriminados pela sociedade, não conseguiam empregos - e muitos entraram para o crime, mesmo com a ficha limpa até então.


A iniciativa fez com que Ivanir levantasse a voz pela primeira vez para denunciar a ação crescente dos grupos de extermínio, um prenúncio sobre casos que posteriormente ganharam dimensões alarmantes, entre eles a Chacina da Candelária, em julho de 1993, e a Chacina de Vigário Geral, no mês seguinte. Quando esses crimes ocorreram, Ivanir já estava envolvido na causa até o pescoço. Cinco anos antes, havia coordenado o primeiro levantamento oficial sobre o extermínio de crianças brasileiras para a Defense for Children International (DCI), entidade com sede em Genebra, na Suíça. O documento serviu de base para o Estatuto da Criança e do Adolescente (Eca), lançado no Brasil em 1990. Ivanir dos Santos colaborou com importantes campanhas - "Não Matem Nossas Crianças", "Abolição do Trabalho Infantil" e "Tráfico de Mulheres é Crime", entre outras - e dedica a sua vida a batalhar ao lado de movimentos populares fundamentais como esses.


Você pode comprar o livro aqui: https://www.amazon.com.br/Marchar-n%C3%A3o-caminhar-interfaces-pol%C3%ADticas/dp/8534705666


https://www.estantevirtual.com.br/livrorapido/ivanir-dos-santos-marchar-nao-e-caminhar-2064339909

75 visualizações

Contato

WhatsApp: (34) 92000-8172

Email: contatoabpn@gmail.com

logo padrão (PRETA) (1).png

Endereço

Casa de Cultura Graça de Axé, localizado na Avenida Cesário Crescerá, 4187 - Bairro Pres. Rossevelt, 38401-119 - Uberlândia - Minas Gerais - Brasil

  • Facebook
  • Instagram - Cinza Círculo
  • LinkedIn - círculo cinza

© 2023 por Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as. Criado com Wix.com

Site produzido por 

Matheus Borsato